Alfajores argentinos

Já falei sobre os restaurantes e do fantástico doce de leite, mas falta falar do mais popular doce Argentino: o alfajor.


A origem

Existem diversas histórias, muitas delas controversas, para a origem do doce.

A versão mais aceita indica que ele tem origem na cozinha árabe. O nome alfajor deriva do árabe alhasú, que significa recheado. Segundo a história, o doce foi criado pelos árabes, que o levaram para a Espanha no século 7. Neste período a Espanha foi dominada pelos visigodos, cujo último rei, Rodrigo, foi derrotado pelos árabes. Os árabes então influenciaram durante séculos o desenvolvimento da cultura espanhola e, entre outras coisas, a gastronomia.

O doce alfajor foi muito bem aceito na Espanha. A receita original sobreviveu aos séculos, sendo passada de pai para filho entre as gerações. Ainda hoje, na região de Andaluzia, a receita original é guardada a sete chaves pelos descendentes dos primeiros produtores do doce.

Originalmente ele era produzido com amêndoas, mel e avelãs.

Chegada na América do Sul

O alfajor chegou a América do Sul pelos imigrantes espanhóis.

No século 18, cerca de 900000 espanhóis imigraram para países da América do Sul fugindo da pobreza causada pelas guerras. E com eles veio a receita do doce.

Nosso continente, até este século, desconhecia até mesmo a palavra alfajor.

Daí para frente, com o passar do tempo e a influência de diversos países e culturas, a receita sofreu várias alterações, até chegar à composição que conhecemos atualmente.

Ao que tudo indica, os primeiros doces foram feitos no Equador e Peru. Nada da Argentina. Ele só foi chegar no país portenho no século 19. Mas chegou para ficar. 

Apesar de ser muito popular em vários países latinos, foi na Argentina que o alfajor ascendeu e foi melhor acolhido (e não poderia ser diferente, já que o doce de leite deles, que recheia os alfajores, é divino).

O alfajor argentino

O alfajor é um doce composto de duas ou três camadas de massa, feita com farinha, açúcar, ovos, essência de limão e amêndoas. Esta massa após assada deve ser levemente crocante e macia, quase esfarelando. As camadas são recheadas de doce de leite e podem ser cobertas de chocolate ao leite derretido, açúcar de confeiteiro ou ainda não receber cobertura nenhuma.

No entanto, hoje existem diversas variações da receita, com outros sabores de massa, de recheio e de cobertura.

Na Argentina o doce tornou-se ícone pop e item de primeira necessidade. São consumidos mais de 6 milhões de alfajores todos os dias e existe mais de uma centena de fabricantes do doce no país.

Bom, chega de história. Vamos as compras. :-)

O que você precisa saber sobre os alfajores argentinos

Onde comprar alfajores em Buenos Aires?

Alfajor na Argentina parece que da em árvore, tem em tudo que é lugar! Não é exagero não, você encontra alfajor em bares, cafés, restaurantes, lotéricas... Há ainda lojas que só vedem o doce e os famosos "quioscos", lojinhas de conveniência que vendem vários tipos de produtos, incluindo diversas marcas de alfajores.

Mas sabe qual o melhor lugar para comprar? Os supermercados. Em Buenos Aires há vários supermercados (na verdade mais parecem mercadinhos de bairro) que vendem alfajores em caixas econômicas com várias unidades.

Não precisa se preocupar com endereços, tem muito supermercado por lá, você vai cruzar com vários. Os mais famosos são as redes Disco, Dia e Carrefour.

Procure pelos alfajores nas sessões de doces e biscoitos. Você vai encontrar diversas marcas, vendias por unidade ou em embalagens com 6 a 18 unidades! Elas saem muito mais barato.

Nos mercados você ainda encontra tamanhos diversos de alfajores. Alguns são bem pequenos, vendidos em embalagens parecidas com pacotes de bolacha. Outros são grandes, bem maiores que o tamanho padrão.

E vale a pena pesquisar preço! Supermercados da mesma rede e localizados na mesma avenida tem preços diferentes dos mesmos produtos! Pesquise bastante. E as marcas de alfajor que tem em uma loja pode não ter em outra.

Eu entrava em todos os mercados que cruzava, só assim pra encontrar variedade e os melhores preços.

O que você precisa saber sobre os alfajores argentinos

O que você precisa saber antes de comprar

Para não errar, eu divido os alfajores na prateleira do mercado em três categorias: os ruins, os bons e os populares.

Os populares são as marcas famosas, que geralmente tem um motivo para estarem em tal posto, seja a qualidade, a tradição ou qualquer outro fator. Nem sempre são os melhores alfajores, mas em geral são bons. Só não espere por preços bacanas.

Já os ruins e os bons, bem, é difícil identificar qual é qual. Mas eu tenho a dica de ouro: leia a embalagem. Nela esta escrita uma informação muito importante que me foi ensinada por um simpático senhor no supermercado, enquanto eu olhava com cara de dúvida a prateleira cheia de alfajores. Este senhor me ensinou algumas palavras básicas do idioma e isso me permitiu ler a embalagem melhor.

Vamos lá, antes de comprar, leia a embalagem para descobrir os doces que são cobertos com chocolate de verdade e aqueles que são cobertos com chocolate hidrogenado. Chocolate hidrogenado (aquele chocolate que não vale nada, cheio de gordura e que nem é chocolate de verdade) é chamado na embalagem dos doces de "baño de reposteria". Simples não? Nas palavras deste senhor: "alfajores bañados com chocolate con leche son mucho más ricos".

É claro, há exceções. Na dúvida, compre somente uma unidade e prove se a marca é boa.

Não se esqueça que a Argentina tem mais de cem fabricantes de alfajores. Você não precisa ficar preso em meia dúzia deles, não fique com receio de experimentar marcas além das famosas. Arrisque-se! Você pode ter boas surpresas!

Mas quais são as melhores marcas?

É impossível indicar quais são as melhores marcas no meio de tantas diferentes. Não conheço ninguém que tenha provado todas para fazer um comparativo.

Vou deixar aqui minha opinião de quatro grandes marcas e que são facilmente encontradas em Buenos Aires.

Milka

O que você precisa saber sobre os alfajores argentinos

A vaquinha roxa está por todo canto da cidade! E ela merece. Os alfajores Milka são deliciosos e baratos. Uma caixa com seis unidades no mercado custa cerca de R$ 8,00.

O chocolate Milka que banha os alfajores é um dos melhores do país. A massa é muito crocante e o recheio saborosíssimo.

A Milka faz alfajores em algumas versões: recheado com doce de leite, recheado com biscoito Oreo, recheados com mousse de chocolate ao leite ou branco e os banhados com chocolate ao leite ou branco. Não tem melhor, todos são ótimos!

Havanna

O que você precisa saber sobre os alfajores argentinos

A Havanna existe desde 1948. É a marca mais popular entre os brasileiros, mas não é a melhor.

Os alfajores Havanna não são vendidos nos supermercados, você os encontra somente nas lojas próprias da Havanna. Há dezenas delas pela cidade.

Ele é estritamente turístico. A marca sobrevive apenas com a venda para os turistas, dificilmente você verá um morador local comprando alfajor Havanna. Eles não são ruins, são até gostosos, mas são muito caros comparados a outras marcas. Uma unidade custa R$ 5,00.

E eu, se fosse você, não compraria Havanna em Buenos Aires, já que aqui no Brasil têm dezenas de lojas da marca e o preço é praticamente igual.

Jorgito

O que você precisa saber sobre os alfajores argentinos

Jorgito é muito popular em Buenos Aires, tem propaganda pra tudo que é lado. Ganhou "ares de cool" por lá.

O alfajor é bem gostoso, recheado com um bom doce de leite e com preço muito honesto, uma caixa com seis unidades custa cerca de R$ 5,00.

É gostoso e muito barato. É a exceção da regra, afinal ele é "banãdo con reposteria".

Nos mercados, você encontra Jorgito em três tamanhos e seis sabores diferentes!

Cachafaz

O que você precisa saber sobre os alfajores argentinos

Um dos mais finos alfajores portenhos, certamente é o mais gostoso desta lista. A embalagem é muito elegante e os alfajores são grandes.

O doce de leite que recheia duplamente o alfajor é saborosíssimo e abundante, ele molha a massa e chega a escorrer pra fora na primeira mordida. 

Um alfajor Cachafaz não sai barato, custa cerca de R$ 5,00. Nos mercados você encontra embalagens com várias unidades a preços um pouco melhores. Vale a pena experimentar.


Como eu disse, há muitas outras marcas: Negro, Vauquita, Goye, El Gringo, Secretos, Amaratotto, Tresan, Terrabusi... Cada cidade argentina parece ter sua marca local! Só experimentando para descobrir quais são os melhores. Ou seja, prepare-se para voltar de viagem alguns quilos a mais de tanto comer os deliciosos alfajores argentinos.

→ SAIBA MAIS SOBRE BUENOS AIRES

→ Você gosta de economizar? Clique aqui e compre com desconto nas Lojas Americanas!

5 comentários:

  1. O jorgito é o melhor. Havana parece uma bolacha maria dura coberta... Emboraeu prefira muito mais o punta ballena uruguayo ou de la sierra de minas uruguayo...

    ResponderExcluir
  2. eu moro ao lado de Puerto Iguazu e conheço mto de alfajores pois sempre vou a Argentina. Esse alfajor da Milka é mto seco, eu nunca recomendo que o comprem pois existem mtas outras marcas melhores. Milka tem outros chocolates bons, mas seu alfajor dexa a desejar.

    ResponderExcluir
  3. Eu já sou da opinião contrária... amo o milka, justamente pela consistência durinha da massa.
    Agora vou contrapor o seu post, já que eu falei em consistência no brasil eu tenho um casal de amigos que são Argentinos (inclusive ela vende alfajores sob encomenda) e eles simplesmente garantem que os melhores alfajores são os da Havana. E quando tentaram me explicar o motivo me disseram que o segredo da havana está na massa, a "sensação e experiência" ao morder o alfajor havana é único.

    ResponderExcluir
  4. eu qdo fui a Buenos Aires provei o da marca abuela goye e amei.....muito melhor que o Havanna (na minha opinião)

    ResponderExcluir
  5. eu qdo fui a Buenos Aires provei o da marca abuela goye e amei.....muito melhor que o Havanna (na minha opinião)

    ResponderExcluir